Notícias - Destaques

INDECENTE É A BALA DO ESTADO QUE MATA NOSSOS JOVENS

Via Intersindical.org.br

INDECENTE É A BALA DO ESTADO QUE MATA NOSSOS JOVENS. INDECENTE É A FOME QUE MATA CRIANÇAS. INDECENTE É ACABAR COM OS DIREITOS DA CLASSE TRABALHADORA

Quem participa de toda essa indecência quer arrancar das escolas e dos livros qualquer lição que ensine respeito, amor e combata o preconceito. É isso que quer Dória em São Paulo, Crivella no Rio de Janeiro e Bolsonaro no Brasil inteiro

No início da semana passada, o governador de São Paulo, João Dória do PSDB mandou recolher apostilas das escolas estaduais que continham o conteúdo básico e necessário para discutir com adolescentes e jovens sobre orientação sexual e respeito a diversidade.

No final da mesma semana, o prefeito/pastor do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella do PRB tenta recolher todos os livros da Bienal do Livro que tratam da discussão sobre orientação sexual e diversidade destinado aos jovens.

Ainda na mesma semana, o presidente homofóbico que cultua torturadores e quer exterminar direitos dos trabalhadores fez discurso em Brasília defendendo a imposição da militarização das escolas públicas. Através do Ministério da Educação, Bolsonaro lançou uma falsa propaganda para tentar enganar que a segurança nas escolas públicas estará garantida, se essas forem dirigidas pelos militares.

Os saudosos do período da Inquisição, onde pessoas eram queimadas vivas simplesmente por lutarem por seu direito de pensar e viver livremente, os saudosos de regimes fascistas e nazistas, em que livros eram queimados para impedir que os seres humanos conhecessem a história de sua existência, os saudosos de ditaduras militares que torturaram e mataram aqueles que lutavam por direitos e liberdade, querem se utilizar do cargo que ocupam temporariamente para impor seu projeto que nega direitos e ataca a vida.

Homens e mulheres homossexuais são vítimas da violência do preconceito que fere e mata; jovens, crianças e trabalhadores são mortos pelas balas e pela ação do Estado nas periferias; a população trabalhadora sofre as consequências dos cortes na Educação que paralisaram estudos e atendimento na área da saúde; trabalhadores sofrem com o aumento do desemprego e com a retirada de direitos. Quem potencializa essa carnificina? Os mesmos governantes que acham indecente o amor entre iguais, os mesmos que querem impor a censura nos espaços do saber e da arte, os mesmos que querem a militarização nas escolas para formar seres servis ao Capital, os mesmos que querem o fim da aposentadoria, da Previdência Social e dos direitos trabalhistas.

Mas eles não passarão: as ações judiciais proibindo a tentativa de censura já foram feitas, declarações indignadas contra os reacionários que estão sentados na cadeira de governantes crescem a cada dia, a cada dia também cresce a rejeição contra a militarização nas escolas. A hora agora é de colocar toda essa indignação em movimento, nos locais de trabalho, estudo, moradia e nas ruas contra essa corja que, na máquina do Estado, quer avançar contra os direitos e a vida do conjunto de nossa classe.

É preciso transformar a indignação contra tanto preconceito em luta pelo direito de viver e amar livremente, é preciso transformar o desalento provocado por tanta miséria em coragem para lutar contra esses governos, que a serviço do Capital querem a carnificina dos empregos e dos direitos.

Enfrentamos inquisições e ditaduras, lutamos para garantir direitos; é lutando que vamos derrotar aqueles que cultuam o preconceito, a violência e a morte.

Jornal da Categoria