Notícias - Destaques

É hora do trabalhador lutar pela aposentadoria

Com a Nova Previdência, quem não se aposentou, não se aposenta mais,  e quem tá aposentado, vai ficar sem receber se não lutar

Companheiros e companheiras, é hora dos trabalhadores se mobilizarem contra a proposta da Reforma da Previdência do Bolsonaro. Não fomos capazes de impedir a implementação da Lei de Terceirização irrestrita e a Reforma Trabalhista no governo Temer, que atacou fortemente os direitos dos trabalhadores. Agora temos que reagir contra os ataques deste governo à classe trabalhadora. Bolsonaro extinguiu o Ministério do Trabalho e ameaça acabar com a Justiça do Trabalho.

Lembra que, durante a campanha o candidato a vice de Bolsonaro falou que o 13° e as férias são duas jabuticabas?
Que se o empresário produz por 12 meses, porque pagar mais um salário ao trabalhador?

Esses e outros ataques serão implementados se a Carteira Verde e Amarela se tornar realidade. Agora nosso principal desafio enquanto classe trabalhadora é barrar a proposta de Reforma da Previdência que o governo, mais uma vez, através das mídias, mente e tentar iludir e enganar os trabalhadores. A nova Previdência, prevista pelo governo Bolsonaro, é uma cartilha de maldade. Dentre todos os podres, eles querem capitalizar a nossa aposentadoria, obrigando o trabalhador a contribuir mensalmente através de uma instituição privada – como os bancos. Ou seja, é o nosso dinheiro dizendo adeus e indo direto para o bolso dos banqueiros. E mais, os patrões não teriam que contribuir com o que contribuem hoje à Previdência. Assim, não vai sobrar dinheiro para pagar a aposentadoria de quem já se aposentou.

Entre as perversidades do pacote, também tem essa: quem ainda não conseguiu se aposentar, não se aposenta mais. A nova Previdência prevê, além de ter que trabalhar 20 anos, e não 15 como é hoje, você só poderá se aposentar com a idade mínima de 65 anos para os homens e 62 para mulheres. Não para por aí: na proposta do governo, a cada 4 anos será revista a expectativa de vida e, sempre que esta aumentar, também aumentará a idade mínima. Ou seja, a cada ano a mais que aumentar a expectativa de vida, aumentará em 9 meses a idade mínima para se aposentar. É trabalhar até morrer.

Esses são só alguns dos massacres prometidos pelo governo Bolsonaro. Essas propostas, mascaradas de “combate aos privilégios”, escondem a real intenção de empobrecer ainda mais quem quase nada tem. Não podemos vacilar, temos que derrubar a Reforma da Previdência de Bolsonaro. O governo mente quando diz que esta Reforma vai igualar a aposentadoria de todos e acabar com os privilégios. Não existe rombo na previdência, o que existe é desvio de dinheiro da Previdência pelos governos, inclusive o de Bolsonaro.

Por isso, chamamos todos os trabalhadores, principalmente os que trabalham no 1° turno ou que saem da fábrica antes das 17h: venham para o ato dia 22 de março. É dia de luta! Sindicatos e Centrais Sindicais de todo país instituíram este dia como Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, que também tem como objetivo construir uma Greve Geral. Esses pacotes da maldade de Bolsonaro só serão barrados com a força da classe trabalhadora em defesa de nossos direitos.

Jornal da Categoria